terça-feira, 13 de agosto de 2013

O Castelo de Alvor


O Castelo de Alvor, também denominado como Castelo de Albur ou Forte de Alvor, localiza-se na vila e freguesia de Alvor, Concelho de Portimão, Distrito de Faro, em Portugal.

Em posição dominante sobre uma elevação, fronteiro ao oceano Atlântico, é considerado um expressivo monumento militar no Algarve, tendo a sua história associada ao do vizinho Castelo de Silves.

A recente pesquisa arqueológica evidenciou que a primitiva ocupação humana deste local é muito antiga, aqui tendo se localizado Ipses, um importante centro comercial pré-romano fortificado, que manteve a sua atividade durante a ocupação Romana e após. À época da ocupação Muçulmana, o sistema defensivo deste povoado se adensou, embora não esteja ainda totalmente compreendido pelos estudiosos: a defesa proporcionada pelo castelo Mouro era reforçada por redutos complementares, entre este e o mar.

No contexto da campanha da conquista de Silves, Sancho I de Portugal (1185-1211), tentou a tomada de Alvor desde 1187. Mais tarde, com o reforço de uma armada de Cruzados oriundos da Dinamarca e da Frísia, assaltaram e conquistaram o Castelo de Alvor (1189), antecipando o cerco e tomada do Castelo de Silves, na dependência de quem se inscrevem. A posição de Silves foi mantida pelos cristãos até 1191.

Embora tenha se mantido como uma das principais povoações do Algarve, devido à excelência de sua enseada, aqui tendo falecido o rei D. João II (1481-1495), não foram localizadas informações acerca da evolução da arquitectura militar da vila e seu castelo.


À época da Dinastia Filipina, na passagem do século XVI para o XVII, no contexto dos conflitos entre a Espanha e as potências do Norte, as fortificações marítimas algarvias foram modernizadas e reforçadas. Sobre Alvor, Alexandre Massai, engenheiro-militar napolitano a serviço da Espanha, referiu a sua defesa como um fortezinho pequeno, quadrado (Descripção do Reino do Algarve..., 1621), ineficaz diante da capacidade da artilharia da época. Esse motivo contribuiu para o abandono da estrutura, em favor de novas fortificações, concentradoras de forças em pontos-chaves do litoral sul de Portugal.

Diante da perda de sua função defensiva, o castelo foi progressivamente sendo envolvido pelo crescimento da povoação ao longo dos séculos, vindo a cair em ruínas. Em fins do século XX, o castelo foi considerado como Imóvel de Interesse Público, por Decreto de 25 de Junho de 1984, tendo sido transformado em um jardim infantil, em comemoração à conquista cristã da vila.

O castelo apresenta planta quadrangular, com as suas muralhas, à moda islâmica, erguidas com blocos de pedra irregulares dispostos horizontalmente, elevando-se a mais de cinco metros de altura em diversos trechos. A existência de um adarve é deduzida pela existência de uma escada adossada ao setor sul da muralha, embora o estado atual do monumento não permita afirmar se os muros eram ameados.

A porta principal de acesso, em cotovelo, é o último elemento original remanescente, acreditando-se que tenha sido originalmente defendida por uma torre albarrã. A leste, observam-se os restos de uma torre que, conforme a sua altura, teria permitido a observação do movimento na enseada. Acredita-se que o atual Castelo de Alvor corresponda apenas à primitiva alcáçova islâmica. A vila também deve ter sido originalmente cercada por uma cintura de muralhas, que não chegou até aos nossos dias.

Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos