quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Postais do Algarve - Armação de Pêra - Grutas


terça-feira, 17 de outubro de 2017

Postais do Algarve - Armação de Pêra - Vista aérea da praia


domingo, 15 de outubro de 2017

Postais do Algarve - Armação de Pêra - Grutas


sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Postais do Algarve - Armação de Pêra - Quatro aspectos da praia


quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Postais do Algarve - Armação de Pêra - Vista aérea da praia


segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Postais do Algarve - Armação de Pêra - Três aspectos da praia


sábado, 7 de outubro de 2017

Postais do Algarve - Armação de Pêra - Gruta e vista aérea da praia


sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Entre dunas e ria, esvoaça um mundo de pássaros


Em Alvor, o maior passadiço do Algarve parece dividir para unir. De um lado, o estuário da ria. Do outro, o cordão dunar. De um lado, o longo areal. Do outro, os os resorts. De um lado, a natureza. Do outro, os veraneantes. Mundos diferentes em comunhão, como os bandos que esvoaçam nos binóculos.

Não há como nos enganarmos. Calças e calções beges, meias a despontar dos sapatos de caminhada, binóculos ao pescoço e, no ombro, um monóculo com tripé. Marcial Felgueiras e Guillaume Réthoré destoam dos desportistas e veraneantes madrugadores com quem nos cruzamos a esta hora no passadiço de Alvor, junto a Portimão. Passa pouco das 8h de uma manhã em final de Julho, começa a fervilhar o pico da época balnear algarvia.

O passadiço em madeira de Alvor ganhou o epíteto de maior da região no ano passado, ao chegar à linha de meta que as falésias recortadas da praia dos Três Irmãos impõem à língua de areia que se desenrola, branda, desde o molhe nascente da ria. Há seis anos, no entanto, que A Rocha Life — ramo turístico da organização ambiental que nasceu em Alvor há 34 anos e que entretanto se espalhou pelo mundo — realiza aqui um dos seus passeios para observação de aves (quatro horas, 3km, 40€). 

São dessa altura os primeiros troços de madeira que serpenteiam entre as dunas e o sapal, integrados no percurso “Ao sabor da maré”, já em plena área classificada da Rede Natura 2000. A associação colaborou na homologação do trilho pedestre, mas desta vez não o percorreremos na totalidade. Saltitamos, antes, entre o “estradão” de terra batida e parte dos passadiços que unem as margens salobra e salgada, no encalço das aves que habitam a ria e aquelas que vêm nidificar nesta altura do ano. Como é o caso dos borrelhos-de-coleira-interrompida. “Estão cá e já devem ter crias. Vamos ver se os encontramos”, desafia Marcial Felgueiras, director de operações da empresa.

 Nos últimos anos, a equipa tem monitorizado a população nidificante de borrelhos nas dunas de Alvor, em declínio a nível mundial. Chegaram a contabilizar-se 30 casais. “Agora nem perto.” Este ano, no entanto, o projecto está suspenso por falta de verbas e não sabem ao certo quantas aves escondem crias entre os tufos de gramíneas. Os pequenos limícolas de bico negro constroem os ninhos sobre a areia “na extremidade das dunas”, lá à boca da ria, longe dos apoios de praia e dos estacionamentos, onde existem níveis mais baixos de perturbação humana. É para lá que segue o passeio, de olhos entre o céu e a vegetação.

Pouco caminhamos até à primeira paragem. Um bando de pintassilgos e alguns pintarroxos (distinguem-se pelas manchas avermelhadas no peito e na testa) estão empoleirados em fios dourados de estorno, a planta mais abundante nas dunas de Alvor. Guillaume ajusta o monóculo e, por momentos, temos a ilusão de quase tocarmos no rasgo amarelo das asas, na cauda negra pintalgada de branco. “Gostam muito de estar por aqui porque se alimentam das sementes das gramíneas”, descreve Marcial. Guillaume é o guia, mas é o director quem vai tomando a palavra. A Gui, para facilitar, interessam sobretudo as conversas que se desenham no céu e dele mal tira os binóculos, com a paciência infinita de quem sabe que esta não é a melhor altura para a observação de aves. “Tal como os humanos, preferem resguardar-se nas sombras quando está muito calor”, retoma Marcial. Há seis anos que o biólogo francês se mudou para o Algarve, depois de ter trabalhado pela primeira vez n’A Rocha, em 2007, ao abrigo do Serviço Voluntário Europeu. “De Outubro a Março é bonito e, no Inverno, muito especial”, resume num sorriso tímido.

Dos esquivos borrelhos nem sinal, mas o passeio vai sendo brindado por outros voos. Cotovias-de-poupa, fuinhas dos juncos, andorinhas-dos-beirais, andorinhas-das-chaminés e andorinhas-daurica — muito parecidas com as segundas, mas com a cauda preta. “Parece que têm umas calças vestidas”, descreve Marcial. Pousa um cartaxo na vegetação seca, ouve-se um maçarico. Lá ao fundo, de patas enterradas nos sapais, vêem-se ostraceiros e gaivotas. “Não estou a apontar muito para elas porque são comuns mas avistam-se cinco espécies nesta altura do ano”, indica Guillaume. A saber: gaivota-de-patas-amarelas, gaivota-de-cabeça-escura, gaivota-de-asa-escura, gaivotão-real e guincho.

Esta zona da ria, encaixada entre os ribeiros e o mar, não é o melhor sítio do Algarve para a observação de aves, confessam. Mas integra “dois habitats muito próximos e bastante diferentes”: o dunar e o estuarino. Numa caminhada curta e fácil é possível avistar várias espécies e compreender os diferentes ecossistemas, programa ideal para famílias e para promover programas de educação ambiental e de consciencialização da população. É essa a grande vantagem dos passadiços, defende Marcial: “Usufruir da paisagem sem destruir o ecossistema.” E acaba por “encorajar a actividade física e o contacto com a natureza”.

Numa encosta arenosa colada ao caminho de terra batida, juras de amor são eternizadas em palavras desenhadas a seixos sobre a areia. Uma garça-real e uma garça-branca alimentam-se na margem, junto aos veleiros que se aninham aos pés da vila de Alvor. O melhor estaria guardado para o fim: um casal de coloridos abelharucos escavou um ninho num dos bancos de areia de uma pequena lagoa e um juvenil espera por comida junto à entrada da toca. “Chegam nos últimos dias de Março e vão-se embora nos primeiro dias de Setembro”, precisa Guillaume.

O passeio termina junto ao restaurante Restinga, com quem têm uma parceria desde o ano passado (passeio de uma hora e bebida, salada ou refeição por preços que vão dos 25€ aos 50€). Foi Filipe Esteves, o proprietário, quem tomou a iniciativa. “A minha família tem o restaurante há 40 anos, eu venho para aqui desde os quatro. Gostava que um dia os meus netos vissem esta beleza única como eu a conheci.” No entanto, apesar de reconhecer que o passadiço “fazia falta pelo pressuposto de conservação da natureza”, a nova estrutura de madeira veio tirar-lhe o estacionamento à porta e isso “mudou os paradigmas do negócio”. Às vezes, tem de ir buscar ou levar clientes a casa porque nem os taxistas ali querem ir. Não há iluminação mas o pó chega para cobrir os carros.

O Restinga é o último restaurante da fileira de estabelecimentos que se sucede em catadupa quase até à Prainha. A partir daqui a estrada suspensa de madeira deixa de contemplar a natureza para servir um único propósito: unir, quase em linha recta, os parques de estacionamento, os apoios de praia, os acessos ao areal, os blocos de apartamentos e as unidades hoteleiras do grupo Pestana. Cinco bordejam o passadiço — e o grupo madeirense financiou parte da estrutura. No total, são quase seis quilómetros, da ria até à praia dos Três Irmãos. O sol sobe implacável ao meio-dia, é um corrupio de sotaques, chinelos, sacos, toalhas, chapéus-de-sol e geleiras. Há quem esteja a chegar e quem parta para o almoço. Um miúdo interrompe a parafernália dos pais para esticar a mão para lá do corrimão do passadiço. “Adeus, praia”, grita entre acenos.

Informação retirada daqui

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Postais do Algarve - Armação de Pêra - Arco dos Namorados


terça-feira, 3 de outubro de 2017

Postais do Algarve - Armação de Pêra - Praia de Armação de Pêra


domingo, 1 de outubro de 2017

Postais do Algarve - Armação de Pêra - Vista parcial da praia


sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Postais do Algarve - Armação de Pêra - Quatro aspectos da praia


quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Postais do Algarve - Portimão - Praia do Alvor


segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Postais do Algarve - Portimão - Praia do Vau


sábado, 23 de setembro de 2017

Postais do Algarve - Lagoa - Ferragudo


quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Postais do Algarve - Aljezur - Praia de Arrifana


terça-feira, 19 de setembro de 2017

Postais do Algarve - Tavira - Praia de Cabanas


domingo, 17 de setembro de 2017

Postais do Algarve - Albufeira - Praia de Santa Eulália


sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Postais do Algarve - Albufeira - Praia de Santa Eulália


quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Postais do Algarve - Albufeira - Praia de Santa Eulália


segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Postais do Algarve - Albufeira - Praia de S. Rafael


sábado, 9 de setembro de 2017

Postais do Algarve - Albufeira - Praia de S. Rafael


quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Postais do Algarve - Albufeira - Praia de S. Rafael


terça-feira, 5 de setembro de 2017

Postais do Algarve - Albufeira - Praia da Galé


domingo, 3 de setembro de 2017

Postais do Algarve - Albufeira - Praia da Falésia


sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Postais do Algarve - Albufeira - Praia da Falésia


quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Olhos nos olhos: quem és tu? - Faro - 1978


Reformados, a ver a vida passar... - Lagos - 1978


O ‘homem da melancia’ e uns pescadores amigos - Portimão - 1978


Escritos murais pós 25 de Abril, na parede da oficina de um velho fazedor de carroças - Parchal - 1978


25 de Abril e a toponímia portimonense - Portimão - 1978


Propaganda política durante a feira anual - Alte - 1974


Mães ciganas com os seus filhos na taberna, durante a feira anual - Tavira - 1964


Grupo de ciganos acampados nas proximidades da feira anual - Estômbar - 1963


Grupo de ciganos acampados nas proximidades da feira anual - Estômbar - 1963


Pão e vinho - vista sobre o Guadiana, para San Lucar, Espanha - Alcoutim - 1963


Surrealismo: três gerações numa taberna, com uma bicicleta - Estômbar - 1963


Uns vizinhos simpáticos - Silves - 1966


Preto e branco: rapariga de preto - Ferragudo - 1964


Professor da escola primária, com crianças - Ferragudo - 1964


Padre António M. de Oliveira no dia em que ocorreu uma visita do Ministro das Obras Públicas - Carvoeiro - 1964


Raparigas do cultivo do arroz preparam-se para a pausa para o almoço - Silves - 1963


As Autoridades: o Tenente Lopes, da Guarda Fiscal, e o Cabo do Mar - Praia do Carvoeiro - 1963


Pescador e barcos de pesca na praia de Albufeira - Praia de Albufeira - 1963


domingo, 2 de julho de 2017

Postais do Algarve - Albufeira - Balaia


sábado, 1 de julho de 2017

Postais do Algarve - Albufeira - Forte de S.João


sexta-feira, 30 de junho de 2017

Postais do Algarve - Alcoutim - Igreja Nova


quinta-feira, 29 de junho de 2017

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Postais do Algarve - Alcoutim - Rua de Alcoutim


terça-feira, 27 de junho de 2017

Postais do Algarve - Olhão - Praia da Armona - Orbitur


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos